START TYPING AND PRESS ENTER TO SEARCH

O que é, afinal, o famoso dente do siso? Ele é um molar – o terceiro da família – que irrompe por volta dos 16, 18 anos. Nas meninas mais cedo do que nos meninos. É por isso, aliás, que os sisos são apelidados de “dentes do juízo”.

O ser humano tem quatro exemplares, dois inferiores e dois superiores. Normalmente, não existe espaço para eles nascerem porque o osso das arcadas, que aloja a dentição, foi diminuindo com as mudanças nos hábitos alimentares e a evolução da espécie humana. O surgimento deles, portanto, é sinal de que está na hora de extraí-lo, caso haja necessidade.

Há algumas verdades interessantes sobre o dente do siso. Varia de organismo para organismo, mas ele pode conter células-tronco, aquelas que, por meio da manipulação em laboratório, geram e regeneram tecidos.

Antes da extração, os pacientes podem, inclusive, entrar em contato com uma clínica especializada, para guardá-los e verificar a existência ou não de células-tronco.

 

dente siso
Os dentes dos sisos podem ser retirados, mesmo quando não há sinal visível na gengiva.

Como funciona

A recomendação da extração dentária dos sisos está diretamente vinculada às sérias complicações que esses dentes podem causar. Nos casos mais raros, algumas pessoas nascem com os sisos alinhados. Na maioria das vezes, contudo, esses dentes procuram espaços para nascer e se acomodar, ficando presos no interior da gengiva e provocando infecções, dor e inchaço.

É difícil e complicada a situação dos sisos. Sem espaço disponível na arcada, eles podem, inclusive, nascer entre os dentes ou no próprio osso. Os sisos que aparecem parcialmente, da mesma forma, causam o posicionamento incorreto dos dentes na arcada dentária, uma vez que, quando nascem, empurram os demais.

Em todos esses casos, somente um cirurgião-dentista ou um cirurgião buco-maxilo-facial conhece as condições dos sisos e as formas de evitar problemas. Só ele saberá informar com precisão a necessidade da cirurgia e o melhor momento para realizá-la. Tudo depende da opinião do especialista.

Por meio de uma radiografia, o profissional consegue ver a posição dos nervos em relação ao dente, a fim de evitar o contratempo de possíveis riscos de lesionar a inervação, que são baixos.

O procedimento é bastante simples. É realizado com anestesia local, ministrada por injeção, e dura de 30 minutos a uma hora.

Cuidados

Ao escolher um bom profissional, evitam-se erros na extração dentária. Qualquer descuido na região, pode atingir alguns nervos responsáveis pela sensibilidade. Por isso a importância de se escolher profissionais de confiança.

Pode ser que ocorram sangramentos nas primeiras horas após o procedimento, que podem, facilmente, ser controlados. Edemas faciais na área são comuns, mas passageiros. Em alguns casos, são recomendados antibióticos antes do dia da extração. Faça o uso do medicamento corretamente.

Saiba que os dentes dos sisos podem ser retirados mesmo quando não há sinal visível na gengiva. Atualmente, com os avanços da odontologia, existem técnicas de extração que facilitam e dão acesso a cirurgias sem riscos. Vale muito a pena verificar a necessidade logo cedo. A prevenção é sempre o melhor caminho.

Está interessado no serviço? Entre em contato com os especialistas do Instituto Barbosa e transforme sua autoestima!

Leave a Comment

Whatsapp - 8h às 18h